Minas Brasil

‘Rota BR-090’: Operação combate crimes na execução de obras rodoviárias em MG

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira (11), a sétima fase da operação Rota BRR-090, que busca combater crimes relacionados à execução de obras rodoviárias no Norte de Minas Gerais.

Segundo a corporação, os contratos desta fase somam um total de R$ 670 milhões, decorrentes de procedimentos licitatórios do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit/MG) realizados entre 2013 e 2018.

Os crimes causaram prejuízo ao erário e à população usuária das rodovias da região, que são a principal ligação entre o Sudeste e o Nordeste do país.

As investigações, realizadas em parceria com a Controladoria-Geral da União (CGU), Receita Federal e Ministério Público Federal, identificaram indícios de fraude ao caráter competitivo de processo licitatório, recebimento de vantagens indevidas, superfaturamento em obras públicas e execução de serviços de baixa qualidade.

Dados obtidos na primeira fase da operação apontaram para o envolvimento suspeito de servidores públicos e empresários nas obras. Posteriormente, as apurações identificaram superfaturamento em pelo menos dois contratos, além de indícios de irregularidades em mais seis obras.

Uma obra de implantação de rodovia na região, cujos trabalhos foram iniciados sem que houvesse condições mínimas para isso, também foi objeto da investigação.

A Polícia Federal representou por 21 mandados de busca e apreensão, bloqueio de ativos da ordem de R$ 32 milhões, afastamento de um servidor público e suspensão de pagamento de dois contratos. Todas as ordens foram expedidas pela 35ª Vara da Seção Judicial de Minas Gerais.

A operação desta quarta-feira conta com a participação de 98 policiais federais, dez auditores da CGU e sete auditores da Receita Federal e ocorre nos municípios de Belo Horizonte, Montes Claros, Sete Lagoas e Muzambinho, em Minas Gerais, e Sorriso, no Mato Grosso.

Os investigados poderão responder por crimes relacionados à lei de licitações e peculato. De acordo com a PF, as penas são superiores a dez anos de prisão.

Fonte: G1.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo